Buscar
  • Dr Daniel Araripe

Sleeve ou Bypass?

Atualizado: 13 de jul.

Sleeve e Bypass, são as principais técnicas de cirurgia bariátrica indicadas nos dias de hoje. Ambas são realizadas há mais de 20 anos, com boa segurança e mínima limitação do funcionamento do trato

digestivo, de modo que permitam o emagrecimento, sem prejuízo da saúde e com manutenção dos resultados a longo prazo.

O Bypass foi idealizado na década de 70 e reúne os princípios de restrição da capacidade de alimento tolerada e disabsorção, pelo qual nem todo alimento ingerido é aproveitado. Foi a técnica mais realizada ao redor do mundo, desde a criação do conceito de cirurgia bariátrica, graças ao fácil controle das limitações provocadas. Como a maioria das cirurgias que envolve partição do estômago, requer uma reposição de vitamina B12 e dos níveis de ferro. Tem uma duração média de 90 a 120 minutos e promove uma excelente melhora dos sintomas do refluxo gastro-esofágico e do diabetes, doenças normalmente associadas à obesidade.

O sleeve foi idealizado como a primeira parte de uma cirurgia em 2 estágios, para pacientes superobesos.

Como a dificuldade do procedimento aumentava, de acordo com o aumento do peso, propôs-se uma cirurgia isolada que reduzisse o volume do estômago, o que poderia ser feito mais fácil e rapidamente e que permitiria uma boa perda de peso inicial, facilitando a segunda parte da cirurgia, que teoricamente seria feita após 1 ano da primeira. Após os resultados iniciais, mais e mais pacientes decidiram não se


submeter ao segundo procedimento, levando os médicos a investigarem o motivo deste procedimento menor ter praticamente a mesma eficácia do inicialmente proposto. Foi comprovado que diversas alterações hormonais acompanham a retirada da parte do estômago em questão. As alterações funcionais do sleeve são menores que a do bypass e o acompanhamento a longo prazo se torna mais simples e com resultados semelhantes, após 5 e 10 anos. Tem uma duração média de 35 a 55 minutos e o mesmo tempo de internação e o mesmo formato de acompanhamento no consultório.

Então, qual a melhor técnica? Isso envolve uma série de fatores, que só em nossas consultas, conseguiremos concluir.



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo